Dia 10 – Quatro Barras a Paranaguá (via Morretes)

Segunda  09/11/2009

TM:     05:31:23

DST:    93,86

Av       16,9

Mx       50,6

Hoje o dia começou às 7 da manhã, na verdade eu acordei um pouco mais cedo e fui tomar banho. Tomamos café no hotel e eu dei uma corrida na cidade para passar na farmácia e comprar um remédio para uma dor de dente que venho sentindo há três dias. Tive que apelar para o antiinflamatório para aguentar até o fim da viagem.

Começamos o pedal às 9 da manhã e pedalamos mais 16 km pela BR-116 até o portal da estrada da Graciosa.

Portal da Graciosa

Passamos o portal e começamos a descer a tão sonhada Graciosa. A estrada é muito bonita cheia de hortênsias por toda a extensão, o trecho de paralelepípedo é o de maior descida, infelizmente estava com muita neblina e não conseguimos ver o mar do mirante.

A famosa foto Vini vidi vici!

Chegamos em Morretes às 13:30 e fomos logo ao restaurante comer o barreado, prato tradicional da cidade.

Após o almoço eu aproveitei o telefone público e falei com minha esposa, mãe, pai, avó e irmão. Tudo bem com eles e muito bom matar as saudades.

Barreado: carne farinha e banana!!! Precisa mais o quê?

Começamos a segunda parte da viagem às 15:00. O trajeto prometia mais de 40km por estradas até chegar em Paranaguá. Perguntamos na cidade e nos disseram que o trajeto tinha uma subida bem forte, no fim das contas ela nem era tão forte assim. O tempo também ajudou (nublado sem chuva, o tempo perfeito para o ciclo turismo) a única coisa ruim foi ter que dividir a estrada com os caminhões que passavam a toda.

Chegamos em Paranaguá às 19:00, a cidade é  muito feia e povoada por causa do porto, a parte velha é bastante parecida com Salvador. Pegamos informações sobre o barco para a ilha do Mel (09:30 da manhã R$13,50 a passagem de ida) e nos registramos no Hostel Continente (R$30,00 p.p. quarto duplo com banheiro) tomamos banho e encerramos mais um dia de pedal.

Não se iluda, o fotográfo é talentoso. (foto de Diego Fernandes)

Jantamos peixe e cerveja no restaurante embaixo do Hostel ao notar que era a única opção existente na cidade e fomos dormir.

Anúncios
Esse post foi publicado em Bike, Cicloviagem. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s